10.8.17

Católicos denunciam fundamentalismo hindu



Podemos usar as expressões: Europa das Nações, África das Nações? Podemos falar das várias nações de que foi constituído um país - por exemplo a Espanha, Angola? Será isso nacionalismo? O nacionalismo coexistirá com minorias? 



Infelizmente o nacionalismo, seja ele qual for, hoje é somente fundamentalismo básico, primário, para legitimar hegemonias que são, sobretudo, familiares e económicas. Associa, geralmente, uma opção religiosa a um projeto de nação e ao predomínio de uma 'casta'. A religião, tendencialmente, é a da maioria dos cidadãos, agora tomados como submissos professos e não como cidadãos. A intolerância religiosa torna-se (novamente) o instrumento para construir o futuro nacional. As minorias, religiosas e étnicas, derivadas de antigas nações ou colonizações ou pregações mais e menos pacíficas, essas contribuem para o projeto anulando-se, apagando-se, em nome da hegemonia. Reduzir tudo ao que parece principal porque maioritário. Este reducionismo básico é um dos truques dos fundamentalistas atuais em todo o mundo (nacionalismo... global). Desmontando-o, cai o edifício. Mas a sua base começou por ser democrática: a maioria é que decide. Se a maioria decidir abafar as minorias, isso também é democrático. Não será liberal, não será da liberdade, mas será democrático (a vontade do 'povo' é a vontade da maioria dos votos). A democracia contém estes e outros ingredientes explosivos e muitas democracias embarcaram na conotação entre maioria, etnia, religião e até cor da pele. Assim um país de maioria xiita deve ser governado por xiitas, por exemplo. E se a maioria dos xiitas decidir eliminar os outros, as outras etnias e antigas nações que não foram por aí? É democrático. Também histórico: aproveitando-se dessas fragilidades das democracias, Hitler tomou o poder em nome da 'raça ariana' e tentou eliminar os judeus (e os ciganos e os pretos e os... outros todos). A tal 'raça ariana' tinha uma longa história, mal esclarecida e ignorada pelos nazis, uma longa história com a Índia - e não com a de Gandhi, apesar das alianças táticas... Partilham parcialmente os mesmos genes originais.



Podemos falar nas nações de que se compôs a Índia? Não, segundo o fundamentalismo hindu. Podemos conciliar nacionalismo e opções religiosas como se tentou fazer na Bósnia Herzegovina? Também não, para o fundamentalismo hindu. E muito menos os católicos de Goa podem existir, porque a sua identidade é perigosa para a legitimação de um Estado totalitário hindu. Mais perigosa ainda se atentarmos aos aspetos da doutrina que levaram a combater ou denunciar a escravatura, as ditaduras, as várias opressões e os vários totalitarismos (em muitos casos tarde, mas ainda assim foi melhor que nunca). Mas disto os hindus e os católicos ainda não falam. Só da constitucionalidade das atitudes. É um caminho... 



Leiam só isto: 



Panaji: India's largest and oldest forum of lay Catholics,
the All India Catholic Union (AICU), has urged president Ram
Chandra Kovind and federal government to initiate action
against "hate mongers" who continue to polarize society
against religious minorities.

The Union in a statement denounced the "hate speeches that
emanated from the recent" Hindu conclave in Goa and said such
talks have further vitiated the already "surcharged
atmosphere, and aggravated the communal polarization in the
country."

They were referring to a June 15-17 conclave of some 130
pro-Hindu organizations in Goa, where several speakers spoke
in support of violence to establish a Hindu-alone nation.
Hindu nun Sadhvi Saraswati, who addressed the conclave,
sought death penalty for those slaughtering cows.

"The politics of the cow has targeted Muslims and other
communities whose food habits and economy depended on the
trade in bovines. Its ramifications have not been fully
understood, and AICU fears they will irretrievably damage the
economic health of the farmers and the poor," said the
statement, issued after a special July 28 AICU gathering in
Goa.

Since 2015, several people across India have fallen victim to
incidents of mob lynching related to religious intolerance.
In the first six months of 2017, media reported 20 cases of
violence related to cow protection, much more than any time
in the past decade. At least 28 people were killed in
cow-related violence between 2010 and 2017, of which 97
percent were Muslims, according to media reports.

The Union's special gathering was convened in connection with
its centenary in 2019, which is also the year of next general
elections. It aimed to discuss the existing social situation
in the nation and register Church's response, said its
spokesperson John Dayal.

The Union also expressed its alarm over the attempts by the
Central and State governments to "saffronise" education in
the country by changes to curricula, text books and teaching.
If left unchecked, the move will make coming generations
"unfit for scientific reasoning" and "misfits in a modern
world," it warned.

While reviewing of the situation in Goa, the
meeting expressed solidarity with the demand of the
Catholic Association of Goa for the setting up of a
Minority Commission in the state, where it said
"bodies meant to safeguard constitutional rights
were dysfunctional."

"A major fear of the people is of moves to nationalize rivers
of Goa to open them to the corporate sector as transport
routes for coal. Any proposal to make a coal transport hub
poses serious threat to the health of the rivers and its
ecology," the statement said.

The Union also backed the Catholic Community of Mumbai, the
capital of neighboring Maharashtra, which has been fighting
the desecration of crosses, and their arbitrary demolition
despite authentic documentation of their antiquity.

It noticed that the people had often "voluntary shifted
crosses if they felt it was in the national cause. It was in
line with the Christian community giving up a church so that
India's rocket and space sciences could have their first base
in Kerala," said the statement.

It also noted the "mischief inherent in efforts by the Mumbai
authorities in evolving development plans for the city
without acknowledging the presence of churches and other
Christian institutions. This makes them venerable to
demolition in the future. The government must take remedial
action immediately," the Union said.

* * *
http://www.ucanindia.in/news/catholic-union-seeks-action-against-hate-mongers/35274/daily

Católicos denunciam fundamentalismo hindu



Podemos usar as expressões: Europa das Nações, África das Nações? Podemos falar das várias nações de que foi constituído um país - por exemplo a Espanha, Angola? Será isso nacionalismo? O nacionalismo coexistirá com minorias? 



Infelizmente o nacionalismo, seja ele qual for, hoje é somente fundamentalismo básico, primário, para legitimar hegemonias que são, sobretudo, familiares e económicas. Associa, geralmente, uma opção religiosa a um projeto de nação e ao predomínio de uma 'casta'. A religião, tendencialmente, é a da maioria dos cidadãos, agora tomados como submissos professos e não como cidadãos. A intolerância religiosa torna-se (novamente) o instrumento para construir o futuro nacional. As minorias, religiosas e étnicas, derivadas de antigas nações ou colonizações ou pregações mais e menos pacíficas, essas contribuem para o projeto anulando-se, apagando-se, em nome da hegemonia. Reduzir tudo ao que parece principal porque maioritário. Este reducionismo básico é um dos truques dos fundamentalistas atuais em todo o mundo (nacionalismo... global). Desmontando-o, cai o edifício. Mas a sua base começou por ser democrática: a maioria é que decide. Se a maioria decidir abafar as minorias, isso também é democrático. Não será liberal, não será da liberdade, mas será democrático (a vontade do 'povo' é a vontade da maioria dos votos). A democracia contém estes e outros ingredientes explosivos e muitas democracias embarcaram na conotação entre maioria, etnia, religião e até cor da pele. Assim um país de maioria xiita deve ser governado por xiitas, por exemplo. E se a maioria dos xiitas decidir eliminar os outros, as outras etnias e antigas nações que não foram por aí? É democrático. Também histórico: aproveitando-se dessas fragilidades das democracias, Hitler tomou o poder em nome da 'raça ariana' e tentou eliminar os judeus (e os ciganos e os pretos e os... outros todos). A tal 'raça ariana' tinha uma longa história, mal esclarecida e ignorada pelos nazis, uma longa história com a Índia - e não com a de Gandhi, apesar das alianças táticas... Partilham parcialmente os mesmos genes originais.



Podemos falar nas nações de que se compôs a Índia? Não, segundo o fundamentalismo hindu. Podemos conciliar nacionalismo e opções religiosas como se tentou fazer na Bósnia Herzegovina? Também não, para o fundamentalismo hindu. E muito menos os católicos de Goa podem existir, porque a sua identidade é perigosa para a legitimação de um Estado totalitário hindu. Mais perigosa ainda se atentarmos aos aspetos da doutrina que levaram a combater ou denunciar a escravatura, as ditaduras, as várias opressões e os vários totalitarismos (em muitos casos tarde, mas ainda assim foi melhor que nunca). Mas disto os hindus e os católicos ainda não falam. Só da constitucionalidade das atitudes. É um caminho... 



Leiam só isto: 



Panaji: India's largest and oldest forum of lay Catholics,
the All India Catholic Union (AICU), has urged president Ram
Chandra Kovind and federal government to initiate action
against "hate mongers" who continue to polarize society
against religious minorities.

The Union in a statement denounced the "hate speeches that
emanated from the recent" Hindu conclave in Goa and said such
talks have further vitiated the already "surcharged
atmosphere, and aggravated the communal polarization in the
country."

They were referring to a June 15-17 conclave of some 130
pro-Hindu organizations in Goa, where several speakers spoke
in support of violence to establish a Hindu-alone nation.
Hindu nun Sadhvi Saraswati, who addressed the conclave,
sought death penalty for those slaughtering cows.

"The politics of the cow has targeted Muslims and other
communities whose food habits and economy depended on the
trade in bovines. Its ramifications have not been fully
understood, and AICU fears they will irretrievably damage the
economic health of the farmers and the poor," said the
statement, issued after a special July 28 AICU gathering in
Goa.

Since 2015, several people across India have fallen victim to
incidents of mob lynching related to religious intolerance.
In the first six months of 2017, media reported 20 cases of
violence related to cow protection, much more than any time
in the past decade. At least 28 people were killed in
cow-related violence between 2010 and 2017, of which 97
percent were Muslims, according to media reports.

The Union's special gathering was convened in connection with
its centenary in 2019, which is also the year of next general
elections. It aimed to discuss the existing social situation
in the nation and register Church's response, said its
spokesperson John Dayal.

The Union also expressed its alarm over the attempts by the
Central and State governments to "saffronise" education in
the country by changes to curricula, text books and teaching.
If left unchecked, the move will make coming generations
"unfit for scientific reasoning" and "misfits in a modern
world," it warned.

While reviewing of the situation in Goa, the
meeting expressed solidarity with the demand of the
Catholic Association of Goa for the setting up of a
Minority Commission in the state, where it said
"bodies meant to safeguard constitutional rights
were dysfunctional."

"A major fear of the people is of moves to nationalize rivers
of Goa to open them to the corporate sector as transport
routes for coal. Any proposal to make a coal transport hub
poses serious threat to the health of the rivers and its
ecology," the statement said.

The Union also backed the Catholic Community of Mumbai, the
capital of neighboring Maharashtra, which has been fighting
the desecration of crosses, and their arbitrary demolition
despite authentic documentation of their antiquity.

It noticed that the people had often "voluntary shifted
crosses if they felt it was in the national cause. It was in
line with the Christian community giving up a church so that
India's rocket and space sciences could have their first base
in Kerala," said the statement.

It also noted the "mischief inherent in efforts by the Mumbai
authorities in evolving development plans for the city
without acknowledging the presence of churches and other
Christian institutions. This makes them venerable to
demolition in the future. The government must take remedial
action immediately," the Union said.

* * *
http://www.ucanindia.in/news/catholic-union-seeks-action-against-hate-mongers/35274/daily

1.8.17

Can Trump stop the DOJ’s Russia investigation?



Em poucos meses, Trump pôs os EUA de rastos, incluindo a sua moeda. Mas está mais rico (disso pouco se fala). Os políticos dos EUA, começando pelos próprios republicanos (que tentaram evitar a eleição de uma pessoa que já conheciam, cuja incapacidade lhes era evidente, mas logo a seguir a aceitaram por mero oportunismo), os senadores principalmente, procuram desfazer as trapalhadas e a trapalhada geral que é a própria presidência deste incapaz - em parte apoiado pelo chamado tea party, gente pouco culta e que não conhece, de forma geral, a própria cultura da nova direita que levou Reagan ao poder e que não superou, ainda, as dificuldades que teve em explicar os desaires económicos subsequentes à sua doutrina e prática. Mas a trapalhada geral é outra. É mais geral. É a de uma conceção demasiado imperfeita e até ingénua da organização da democracia em sociedades livres.

Embora não tenha sido eleito por maioria de votos, os que Trump teve bastaram para a sua escolha como presidente. Entre as muitas questões que isso nos suscita, está uma que, tarde ou cedo, os países onde há liberdade vão ter de enfrentar decididamente. Uma questão fundamental, para um país livre, que é a de como organizar a representação da 'vontade do povo' (uma abstração mítica, utilizada sem definição rigorosa do que seja, sequer, isso de 'povo').

Hitler, Erdogan, Putin, Mugabe, Chávez e muitos outros, em algum momento foram mesmo eleitos pela maioria dos votantes dos respetivos países. A questão que se deve pôr é muito simples e antiga: como foi possível? e como pode o voto de um momento alterar as condições de vida e destruir a liberdade de todos os momentos futuros? Porque é isso, a liberdade, que também está em risco na tragicomédia de Trump e dos EUA.

Qualquer pessoa que ande com atenção pelas ruas, por exemplo nas ruas dos Estados Unidos, depara-se com comportamentos que a levarão a pensar, se estiver atenta a estes problemas: "este tipo também vota!". No dia-a-dia o que os votantes revelam muitas vezes (e muitos deles) são comportamentos egoístas, levianos, dissimulados, falsificadores, preconceituosos, discriminatórios, prejudiciais para a comunidade. Como devemos esperar que, ao votarem, se tornem repentinamente o contrário disso tudo? Sabendo que não vai acontecer essa mudança repentina, temos de nos perguntar: até que ponto será válido o seu voto?

Esta questão foi posta e bem posta por teóricos políticos e ideólogos anti-democráticos, uns à direita e outros à esquerda. Eles tinham razão na sua crítica e na desmontagem da validade do voto universal indiscriminado. As alternativas que apresentavam, porém, restringiam a liberdade e a representação da vontade popular. Ainda assim, não devem ser desconsideradas. Explico porquê.

É possível aproveitar algumas dessas propostas, tanto quanto algumas mais atuais e alternativas, aproveitá-las no sentido de se reorganizar a expressão da vontade das pessoas. O que é preciso, também, é fazê-lo em plena liberdade sempre, não restringindo qualquer atividade política ou partidária.

A renovação das sociedades livres apoiar-se-á, incontornavelmente, na reorganização da expressão e da representação das pessoas nas instituições do Estado, em particular nas que lhe determinam a direção e avaliam a execução. É nesse ponto que propostas como "assembleias de soldados, operários e camponeses", tanto quanto propostas de constituição de assembleias corporativas, podem ter algo a aproveitar. É uma verdade que várias ditaduras diziam que iam fazer isso. O último exemplo está na Venezuela, onde o voto direto foi parcialmente substituído, na eleição da assembleia constituinte inconstitucional, pela escolha de representantes da sociedade civil (representado organismos afetos aos governistas). Outro exemplo esteve na ditadura salazarista em Portugal, que instituiu uma Assembleia Corporativa que, no entanto, só tinha funções consultivas, não tinha poder deliberativo (esse ficava nas mãos de uma assembleia bipartidária - eufemisticamente chamada nacional - onde um partido governante seria sempre maioritário e um partido oposicionista seria sempre minoritário). Mas a perversão das propostas por poderes ditatoriais não as invalida, precisamente porque esse poder não as aplica.

A renovação das sociedades livres, com eleições regulares e abertas, deve pressupor uma responsabilização do voto. Essa responsabilização só pode ser exigida quando ao votante se pede que faça escolhas sobre assuntos e territórios que ele conhece bem. Se não, temos o que temos hoje: os votantes votam num programa abstrato e longo, parcial e obscuramente explicado, que não vai ler e, lendo, muitas vezes nem percebe muito bem, vota num dirigente, num partido, numa votação muito abstrata, coisa de cartaz e, portanto, o seu voto é uma carta branca, na prática, um cheque em branco para o ganhador fazer o que quiser depois da eleição. É essa brecha que os ditadores contemporâneos têm aproveitado muito bem - a par de outras. E que Trump soube aproveitar sem ter, no entanto, a noção do que fazer a seguir, sem estratégia para o dia seguinte, porque ele é demasiado parecido com muitos dos seus votantes.

As propostas corporativas e de assembleias de 'soldados, operários e camponeses' (igualmente corporativas, mas eliminando a maioria das 'classes'), bem como de listas municipais e nacionais independentes dos partidos, são um ponto de arranque para a conceção de uma nova democracia, uma democracia na qual o sistema de escolha e de representação deve ser orgânico, para que os votantes escolham dentro da sua profissão, do seu município, entre assuntos que dominam e escolhendo pessoas que, tanto quanto possível, conhecem, estão por perto, podem ser identificadas no quotidiano.

A extraordinária complexidade das sociedades livres de hoje aconselha, porém, a caminharmos cautelosamente e gradualmente, para não darmos azo a novas ditaduras e para não cometermos reducionismos. Esse é, ou deve ser, um processo lento de modificação gradual dos métodos de escolha e de representação, bem como dos métodos de avaliação das governações locais e nacionais. Talvez seja aconselhável aproveitar uma tendência tímida, ainda limitada, mas por isso mesmo controlável 'cientificamente', melhor dito: por tentativa e correção dos erros. A tendência é a de o sistema partidário (que veio o constituir, na prática, uma oligarquia asfixiante, cada vez menos ineficaz e responsável), abrir brechas ao nível autárquico para se ensaiarem formas alternativas de representação, escolha e controlo da governação.

Por exemplo: escolher os cabeças de lista por candidaturas personalizadas e as assembleias municipais por eleições indiretas através da eleição de três representantes por área de atividade (um representando patronato, gestão, administração; outro representando trabalhadores abaixo do nível de direção central e o terceiro os consumidores frequentes) e dois representantes por freguesia (um escolhido pelas juntas de freguesia, outro pelos moradores diretamente). É claro que definir isto legalmente, pensando nos muitos 'pormenores' e 'pormaiores' implicados, é muito difícil e pede tempo. O exemplo mais difícil afigura-se-me este: como definir os 'consumidores frequentes'? Com base na faturação anual que apresentam? Isso é justo? Ignorá-los, porém, será solução? Substituí-los por associações de consumidores? Os problemas são mais complexos do que parecem. Portanto, mesmo a um nível local, as soluções orgânicas implicam uma tal interatividade que teremos de ir experimentando gradualmente propostas parciais, que alterem uma parcela do sistema atual até se consolidarem ou se aperfeiçoarem. É um trabalho moroso, coletivo (portanto, cheio de suscetibilidades), mas responsável e participado, livre e democrático.

A constituição dessas novas assembleias por estratos que tendem a vigiar-se uns aos outros resolve, por isso mesmo, resolve melhor o controlo da governação local. E permite pensar no nível seguinte, redimensionando as dificuldades e as possibilidades.

Se esse trabalho não for feito, a avalanche de 'espertos' e de 'atrevidos', com poções mágicas escondendo faturas dolorosas, aumentará a tal ponto que as sociedades livres deixarão de o ser. E a resposta dos 'gurus' do povo dos cafés reais e virtuais, luxuosos e populares, a resposta é sempre a mesma: calar a investigação, neutralizar o controlo, criar avaliações fantoches da atividade política geral e da governativa em particular. Pelo mesmo perigo enfrentado por Trump e a que se refere o artigo: o da própria sobrevivência dos providenciais artistas deste circo macabro.

O artigo pode ser lido a partir da hiperligação abaixo:

Can Trump stop the DOJ’s Russia investigation?:



'via Blog this'

Líderes da oposição venezuelana levados para parte incerta

A verdadeira face do 'socialismo do século XXI':



Líderes da oposição venezuelana levados para parte incerta:



'via Blog this'



Claro que Putin, Erdogan e a coligação de ditadores do mundo aplaudem. Os saudosos do socialismo do século XIX também...