25.5.16

O fascismo tem mesmo origem no marxismo? Tem, sim.


Afirmações do jornalista José Rodrigues dos Santos sobre as origens marxistas e do fascismo provocaram uma polémica desnecessária e um desmentido muito mal fundamentado. José Rodrigues dos Santos tem razão no que diz, embora não seja muito rigoroso no uso dos termos (a relação é mais entre socialistas - o que pode não se reduzir a marxistas - e fascistas, mas também nazis). Num artigo do Público faz-se (Paulo Pena) uma afirmação com muito menos fundamento que a de José Rodrigues dos Santos: "O marxismo é, de facto, cronologicamente anterior ao fascismo. Mas acaba aqui a verosimilhança na tese de José Rodrigues dos Santos." É uma afirmação peremptória, que o desenvolvimento do artigo não justifica. A verdade é que faltam factos no artigo do Público, feito em nome dos "factos" e, por outro lado, o articulista compara tomadas de posição muito posteriores à "origem do fascismo" dando, sem distinção, exemplos de Mussolini, dos nazis e de Pequito Rebelo... 

Realmente, é preciso ir às origens desses fenómenos, porque é de origens que JRS fala. São, de resto, esclarecedoras, o que se pode ver com três exemplos que me vieram à memória. 

Primeiro exemplo: por volta de 1892 realizou-se uma série de actividades dos “deputados socialistas alemães” e de uma “associação de socialistas patriotas e anti-semitas” da mesma nacionalidade, incluindo um Encontro entre eles, com participação de sindicalistas. Quem estudar as origens do nazismo (ou seja: do nacional-socialismo) encontrará aqui um dos episódios mais recuados da operação simbólica e ideológica que funde a noção de proletariado com a de povo alemão e a noção de burguesia com a de judeu e estrangeiro. Essa vai ser a base talvez mais forte da componente e da influência do marxismo ou, mais englobante, do socialismo sobre o nazismo. Ora, nesse ano de 1892, em Abril, Hitler fazia três anos de idade... 

Segundo exemplo: o do próprio nome do partido alemão, para o qual chamei a atenção acima. Esse nome prende-se, justamente, com um processo histórico, uma evolução ideológica e partidária que foram semelhantes na ascensão do nazismo e do fascismo - mas não no historial de Pequito Rebelo e da apropriação dessas ideologias pelo conservadorismo rural português

Também Mussolini nunca abandonou as ideias socialistas e, em parte, a leitura marxista da organização social. Em textos da época da sua dissidência (1919 é o ano culminante), o que ele reclama é um sentido de nacionalidade e de nacionalismo que falta ao socialismo para ele se afirmar e defender os países onde quer implantar-se. O nacionalismo era, no entender de Mussolini, o pólo agregador das mais diversas vontades que, por isso mesmo, o socialismo não podia deixar de aproveitar. O corporativismo é a síntese superior desta junção de marxismo e nacionalismo: enquanto marxistas, os fascistas propuseram um sistema corporativo inspirado nas propostas de assembleias de, como se disse em Portugal em 1975, "operários, soldados e camponeses"; o nacionalismo acrescentou todas as outras classes para congregar todas as vontades em torno da defesa e do progresso da nação, que o Partido Fascista orientaria no sentido da plena realização política de um Estado Nacional Corporativo (ou seja: nacional e social).



O desenvolvimento das práticas e das formulações políticas, ideológicas e partidárias de marxistas, fascistas e nazis opuseram-nos cada vez mais e diferenciaram-nos cada vez mais, mas a origem é comum e reside na leitura classista e economicista da organização social. Uma leitura, de resto, que vemos ainda espreitar alguns discursos de nacionalistas do chamado 'terceiro mundo' e, mesmo, de bolivarianos - embora nestes casos, em vez do 'judeu', surja a figura do 'europeu', que representaria o mal, o demónio, ou seja, a burguesia, o capitalismo, o liberalismo que era preciso destruir. 



'via Blog this'

No comments:

Post a Comment