11.2.15

Charlie Haram


Quando os atentados de Paris vieram mostrar ao mundo que a Europa condescente e relaxada com a sua identidade democrática colocava em risco a própria liberdade e segurança, 

muitos 'blogueiros' e cronistas de esquerda se apressaram a distrair as nossas atenções, logo no dia seguinte. Uma das distracções consistia em nos lembrarem que o Boko Haram matava mais gente na Nigéria, raptando lá crianças, mulheres e arrasando aldeias inteiras.

Estranho: de repente, pessoas que nunca se tinham preocupado com isso mostraram-se extremamente revoltadas com o Boko Haram. Viciadas como são na acusação à Europa, aos EUA e ao capitalismo por todos os males, imediatamente reclamaram o que antes costumavam criticar: uma intervenção europeia em África para combater o Boko Haram e descurar a vigilância que a França, finalmente, parecia querer fazer a sério dentro do seu próprio país. 

Pareceu-me e parece-me que África tem condições para resolver, por si, o assunto. Pareceu-me também muito irresponsável a campanha eleitoral nigeriana, secundarizando um assunto de importância fundamental para toda a região. 

A opinião pública global devia preocupar-se, claro, com o Boko Haram. Mas porque é que, em se tratando de África, têm que falar logo numa intervenção europeia, sobretudo os sectores mais à esquerda, mais anti-'imperialistas'? 

A postura a tomar é bem outra: é exigirmos todos, africanos e não-africanos, que os países africanos da região resolvam os seus problemas. E, efectivamente, é o que estão a fazer. Só podemos lamentar uma resposta tardia, mas não duvidamos de que esses países têm condições para resolver o problema por si, com a ajuda normal, não-intrusiva, normal num mundo globalizado e a simpatia da comunidade internacional. 

Parece-me que a África ao sul do Saara, neste e em alguns outros casos, começa finalmente a responder por si própria. É de saudar. 


No comments:

Post a Comment